Governo do Distrito Federal
3/05/22 às 20h45 - Atualizado em 19/05/22 às 13h54

Águas Claras terá usina modelo de energia fotovoltaica

 

Estrutura será instalada no parque ecológico da região administrativa; outras unidades de conservação receberão equipamentos de menor porte

 

Representantes do GDF e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação observam no mapa a localização da usina solar fotovoltaica | Fotos: Divulgação/Sema

 


 

O local para a nova usina solar fotovoltaica do Distrito Federal já foi escolhido: o Parque Ecológico de Águas Claras. O projeto-piloto da Secretaria de Meio Ambiente (Sema), desenvolvido por meio do CITinova, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), servirá de modelo para iniciativas semelhantes. A Sema prevê a implantação para o segundo semestre de 2022, como parte da estratégia de promoção de energia limpa no DF, prevista no Planejamento Estratégico – 2019 a 2060.

 

Além da planta central no Parque de Águas Claras, serão instaladas infraestruturas de menor porte em outras unidades de conservação geridas pela Sema, como o Parque do Cortado, que abriga o Hospital Veterinário de Brasília, o Jardim Botânico e o Zoológico.

 

A energia gerada, de aproximadamente 500 kWp, será injetada no sistema de distribuição e compensada de acordo com o regramento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Os créditos poderão ser utilizados no abatimento do consumo das unidades de conservação do GDF e de outros prédios públicos. A ideia é que o cidadão possa visitar a usina e entender o funcionamento do sistema, propagando assim o conhecimento público sobre energias renováveis.

 

“Além de proporcionar uma economia de recursos, que poderão ser aplicados em outras áreas, a usina fotovoltaica modelo vem atender uma das prioridades da política ambiental no DF: a mitigação das emissões de carbono e o combate à mudança do clima”, destaca o secretário do Meio Ambiente, Sarney Filho.

 

Energia fotovoltaica

 

A energia fotovoltaica é aquela gerada a partir da captação da luz solar, convertida em corrente elétrica contínua, passando por conversão para corrente alternada de distribuição e uso. Uma das principais vantagens é ser uma energia renovável, alternativa aos combustíveis fósseis, que reduz as emissões de gases de efeito estufa (GEE).

 

“A iniciativa abrange a realização de estudos para modelos de negócios, além de ações de mobilização do setor. O Termo de Referência para contratação do serviço está em análise pelo setor jurídico para publicação do edital”, afirma a coordenadora executiva do CITinova no DF, Nazaré Soares. O processo seletivo será realizado pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), agência implementadora dos recursos do Projeto.

 

Comitiva de gestores e técnicos do projeto CITinova esteve no local de implantação da futura usina em 26 de abril

 

Visita técnica

 

Em visita técnica no dia 26 de abril, uma comitiva de gestores e técnicos do projeto CITinova esteve no local de implantação da futura usina-piloto no Parque Ecológico de Águas Claras: uma área de aproximadamente 2,5 mil metros quadrados.

 

A usina será do tipo modular e poderá ser expandida para outros locais do DF, inaugurando uma prática, no Brasil, de geração de energia limpa pelo governo local, com financiamento internacional.

 

CITinova

 

É um projeto multilateral executado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Os recursos são do Global Environment Facility (GEF), com implementação a cargo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). A execução no DF se dá por meio da Sema, em parceria com o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE).

 

*Com informações da Secretaria do Meio Ambiente