Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/11/17 às 17h26 - Atualizado em 20/11/17 às 14h46

Conselho acata BNDES e construirá dois centros de triagem

COMPARTILHAR

Decisão unânime acolhe recomendações do BNDES. Para secretário do Meio Ambiente, isso permite início das obras em 2017

 

(Brasília, 14/11/2017) – O conselho gestor do projeto dos centros de triagem decidiu por unanimidade começar a construção de apenas um centro de triagem em vez de dois e, com isso iniciar imediatamente as obras. A recomendação foi feita pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por avaliar que não há demanda suficiente de material reciclável para ser processado nos três galpões previstos pelo projeto original.

 

“É um passo definitivo do BNDES ao aprovar e assinar o contrato para começar as obras ainda este ano”, afirmou o secretário do Meio Ambiente, André Lima. “Vamos iniciar com apenas um galpão, fazê-lo funcionar; depois construiremos o segundo galpão e, com ele, atender 600 catadores ou mais”, informou.

 

O projeto inicial previa a construção de três centros de triagem e um de comercialização. Pelo projeto aprovado hoje serão construídos dois centros de triagem e um de comercialização.

 

Os dois centros de triagem poderão receber 250 catadores por dia em dois turnos. O centro de comercialização poderá receber 100 catadores por dia.

 

O conselho gestor é integrado por representantes do governo e das cooperativas de catadores de materiais recicláveis. O contrato para o financiamento da construção é do governo de Brasília com o BNDES. Confira lista

 

Aterro do Jóquei

 

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, anunciou no mês passado que o fechamento do aterro do Jóquei, conhecimento como lixão da Estrutural, será realizado em 20 de janeiro de 2018. Na ocasião, os trabalhadores assinaram um termo de compromisso em que se comprometeram a respeitar um cronograma de mudança para os galpões dos centros de triagem e a registrar com precisão a presença dos trabalhadores nestes locais.

 

O governo se comprometeu a iniciar imediatamente o pagamento do benefício de R$ 360 por mês, referente ao Programa de Compensação Financeira Temporária, aos membros de cooperativa que transferirem seus serviços para os centros de triagem.

 

A região da Estrutural é utilizada desde a década de 1960 para depósito de lixo. A área, listada pela Associação Internacional de Resíduos Sólidos como o segundo maior lixão a céu aberto do mundo, ocupa aproximadamente 200 hectares e fica próximo ao Parque Nacional de Brasília e a menos de 20 quilômetros da Esplanada dos Ministérios. É considerada uma irregularidade pela Lei de Crimes Ambientais, de 1998, e pela Política Nacional do Meio Ambiente, de 1981.

 

O processo de desativação do lixão da Estrutural começou em 2015, com a criação de um grupo de trabalho formado por diversos órgãos. Como parte importante do marco, o governo iniciou a operação, em 17 de janeiro deste ano, do Aterro Sanitário de Brasília, entre Ceilândia e Samambaia. Ele foi projetado para comportar 8,13 milhões de toneladas de lixo durante a vida útil de aproximadamente 13 anos.

 

Com informações da Agência Brasília.

 

Mais informações:

 

E-mail: comunicacaosema@gmail.com

 

Telefone: (61) 3214 – 5611

 

 

Conselho gestor do projeto BNDES. Foto: Murilo Lins/Sema-DF.