gototop
Sexta, 09 Dezembro 2016

Mapa hidrográfico do DF é lançado

 

Notícias

Da Agência Brasília

Em escala de um centímetro para cada 1,15 quilômetros, rios, riachos, ribeirões e córregos de Brasília são detalhados como fonte oficial dos órgãos do governo local

O mapa hidrográfico oficial do Distrito Federal foi lançado, nesta quinta-feira (8), em solenidade no Jardim Botânico de Brasília. Impresso na escala de um centímetro para cada 1,15 quilômetro, ele detalha os rios, riachos, ribeirões e córregos que abastecem as oito bacias do território.

Por meio da Resolução nº 2 de 2015, o Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal aprovou o uso de uma base hidrográfica comum a todos os órgãos do Executivo local. Segundo o secretário do Meio Ambiente, André Lima, o mapeamento oficializado facilita a gestão da água em Brasília.

A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa-DF), a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e a Secretaria de Gestão do Território e Habitação participaram da formulação do mapa.

Para que as pastas tenham as mesmas informações, 2,5 mil cópias foram impressas para serem distribuídas entre elas. 

Durante o evento, a subsecretária de Planejamento Ambiental e Monitoramento da pasta, Maria Sílvia Rossi, explicou que o mapa foi aprovado pelo Conselho de Recursos Hídricos do DF e detalhou como ele foi organizado. “Foi feito um resgate histórico para adquirir as nomenclaturas corretas dos rios e lagos de Brasília”.

Ela também agradeceu à equipe do Zoneamento Ecológico-Econômico, que coordenou a pesquisa.

Cirat muda de espaço dentro do Jardim Botânico

Na cerimônia, também foi oficializada a mudança do Centro Internacional de Referência e Transdisciplinaridade (Cirat) do escritório onde funciona, no Centro de Excelência do Cerrado (Cerratenses), para a antiga sede da organização não governamental WWF Brasil.

A nova localização foi cedida porque a Ong se mudará para um prédio no Lago Norte, e o patrimônio só poderia ser passado para outra organização que trabalhe com o meio ambiente.

O diretor-executivo do Jardim Botânico, Jeanitto Gentilini, também falou sobre o espaço. “O parque tem 4,5 mil hectares disponíveis para estudar o viés das águas. Com uma localização própria separada do Cerratenses, o Cirat terá mais acesso para as nascentes”, observou.

O Cirat surgiu em 2009 para desenvolver pesquisas sobre recursos hídricos, mas a criação foi oficializada apenas em maio do ano passado, por meio de publicação no Diário Oficial do DF. Ele funciona com doações de organismos nacionais e do exterior, e com premiações em dinheiro para projetos.

O centro reúne pesquisadores de nove órgãos do governo de Brasília: Secretarias do Meio Ambiente, de Saúde, de Cultura e da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, além de Caesb, Adasa, Ibram e Jardim Botânico de Brasília.

O secretário do Meio Ambiente, André Lima apresenta o mapa das bacias hidrográficas do DF. Foto: Andre Borges/Agência Brasília. 

VOCÊ ESTÁ AQUI: